Prendecel quer deixar os foliões mais tranquilos no Carnaval

22/02/2019


Hoje em dia, não se pode ir para um show ou Bloco de Carnaval sem ficar preocupado em ter o celular furtado, e, devido a esse fato, muitos já não levam mais o celular para eventos com grande aglomeração de pessoas.

Ainda em 02/2017, após pesquisar no banco de patentes da América, Ásia e Europa, Rogério Arvatti descobriu que a invenção de prender o celular na cintura com um fio de aço ou similar, era dele.

Confira as últimas novidades do varejo aqui.

Leia também: MB Produções tem 2 blocos no Carnaval de Rua de São Paulo.

E após fazer o depósito da primeira patente começou um grande desafio, o de transformar em produto uma ideia que só existia em sua cabeça.

Depois de projetar um carretel com um fio de aço retrátil, desenvolveu o próprio cadeado de segredo, dessa maneira, se por ventura um terceiro puxar o celular do usuário, ele não terá como remover o celular do sistema Prendecel.

E assim, um brasileiro criou um novo cadeado de segredo, formado por pinos que se movem para a esquerda ou direita, formando uma combinação única.

Esse inovador dispositivo de travamento, já patenteado,  pode ainda ter outras aplicações, como travar armários de escritórios, gavetas, gabinetes entre outras aplicações.

Além da carteira traseira, foi inserido ainda um sistema de imãs embutidos, para que se possa colocar o celular por cima do carretel, ideal para mulheres ao usar uma minisaia ou um shorts sem bolso.

Há também, a velha pochete em um novo estilo.

Depois de dois anos de projeto e trabalho árduo nos ajustes finais, finalmente o Prendecel ficou pronto a tempo de ser lançado para o Carnaval 2019.

São várias invenções dentro de uma só.

Foi criado um produto pensando no bem-estar de quem quer pular Carnaval tranquilo, só se preocupando em se divertir e tirar selfies.

Confira no vídeo abaixo como funciona o Prendecel.

Caso não consiga visualizar o vídeo, acesse aqui.

Mais informações sobre o Prendecel pode ser conferido no site.
 

Fonte: Redação.

TAGs: