Canal
Geral

T.1, EP 6. O Palhaço e o Segurança

Por: Luiz Fernando Coelho 15 de Abril de 2020

Assistir a um show de Natal, normalmente, é uma experiência bem emocionante para adultos e crianças.

Estar nos bastidores torna a experiência mais emocionante ainda.

Era uma vez, um show em um ginásio enorme.

Um musical com muitas bailarinas, cantores, acrobatas, fogos de artifício indoor e números aéreos.

Espetáculo Uskoa/D'Arte Multiarte - Belo Horizonte - Natal de 2019 (Foto: Sergio Azevedo).  

No palco, um palhaço conduzia o fio da meada da história, interagindo com o público.

Nesta história, há uma cena em que Papai Noel recebe as cartinhas das crianças.

Quem é o emissário dos pequeninos? O nosso palhaço e sua mala de cartas, descendo do alto do ginásio até o palco.

A cena no palco foi linda. Emocionante.

Nos bastidores a realidade foi um pouco diferente.

O nosso palhaço participa de todo o espetáculo.

Tem que se movimentar muito.

Seus pontos de entrada em cena variam.

Para realizar um deles, saía do piso térreo do ginásio, e subia correndo até o nono andar do ginásio. Lá era preso em uma tirolesa que o baixava até o palco.

Em seu caminho, haviam várias portas de segurança, que impediam que o público trocasse de nível.

Um segurança em cada uma delas.

Tudo acertado. Funcionando perfeitamente bem.

Mas, neste dia......

O palhaço começa a subir os andares rapidamente.

Já sabia o caminho.

Bufava.

Era muita escada.

A pressão de ter que ser rápido.

Suava muito.

Um baita esforço.

Os seguranças ajudam abrindo as portas de acesso rapidamente.

Conhecia todos que ali estavam trabalhando.

E então, chega ao último andar.

O novo segurança, ali postado, lhe proferiu a palavra:

- O senhor não pode passar aqui não, afirmou o segurança.

- Mas meu amigo, eu sou o palhaço.

- Tá na cara que não é cidadão. Aliás, o senhor não tem vergonha de andar vestido dessa forma por aí?

- Ah sim. Estou mesmo vestindo roupa de palhaço.

- Tá me gozando? Estou vendo claramente.

- Muito bom. Então, preciso passar. Está na hora do meu número.

- Não sei de número nenhum. Se quer passar, tem que mostrar a pulseirinha de acesso. E isso aqui é um show do Papai Noel, o palhaço!

- Meu senhor, eu sou o palhaço! Não preciso de pulseirinha.

- Isso eu já vi. E vou repetir, pode ser quem você quiser cidadão, mas sem a pulseira não passa. Aliás, isto está virando uma palhaçada.

- Mas... meu amigo, aqui nesta mala estão as cartinhas para entregar ao Papai Noel. E quem entrega sou eu.

- Cidadão, estou ficando irritado. Papai Noel não existe!!! Tá de brincadeira comigo?

O tempo passando e chegando o momento do palhaço descer e realizar a cena.

- Por favor, estamos fazendo um show de Natal, e eu preciso descer no palco.

- Cidadão, pra ir até o palco não é problema meu. Tem que falar com o colega que está na posição. Mas já vou avisando, sem a pulseirinha vai ser difícil.

- Mas meu amigo, você não poderia chamar seu supervisor pelo rádio. Daí esclarecemos tudo.

- Tá me achando com cara de palhaço?

- Não o palhaço sou eu! Exclamou já levantando a voz.

- Cidadão, eu não vou admitir que palhaço nenhum levante a voz para mim. Me respeite.

- E você, me respeite também. Berrou o palhaço.

- Como você quer ser respeitado aí vestido de palhaço?

A situação já estava tensa.

O diálogo era impossível mesmo.

Até que, com o barulho, um outro segurança se aproximou, para ver o que estava acontecendo.

- O problema é este palhaço querendo adentrar neste recinto, onde precisa ter uma pulseirinha, e ele não tem.

Você está certo, disse o segundo segurança.

O palhaço começou a ficar desesperado. Agora seriam dois a barrá-lo.

Mas palhaço tem que ter sorte. Veio a afirmação que precisava.

- Vamos deixar ele passar. Afinal é só um palhaço.

- Cidadão, desta vez você vai passar. Na próxima não vai ter desculpa. Sem a pulseira não passa. E outra coisa, veja se vem com uma roupa mais adequada, ô palhaço.

Tags: artigo | luiz-coelho | live-marketing | evento