Canal
Conteúdo

Os hábitos do consumidor irão mudar

Por: Eduardo Fregonesi 9 de Julho de 2020

É inegável que vivemos uma situação atípica. A pandemia de Covid-19, que se alastrou pelo mundo e obrigou o Brasil a adotar medidas de isolamento social desde março, apresenta mais dúvidas do que certezas. 

Embora o distanciamento e a quarentena sejam as principais medidas para evitar a propagação da doença, a suspensão de diversas atividades promove um abalo muito grande na economia nacional, que ainda buscava se recuperar da crise de 2014 e 2015. 

O fato é que, para o bem e para o mal, o Coronavírus promoveu grandes transformações, principalmente no consumo, e as empresas precisam se adaptar a isso o quanto antes para não sofrerem mais.

O cenário para esse ano e o próximo é incerto e sem grandes perspectivas às empresas. Já sabíamos que seria assim: na China – epicentro da pandemia – e em outros países que sofreram antes do Brasil com a propagação do novo Coronavírus, os mercados financeiros foram prejudicados por conta das medidas de isolamento social, e, com isso, a paralisação de muitos serviços. 

Dessa forma, os países irão retomar a economia e a vida “normal” após o Covid-19 em velocidades diferentes e é certo dizer que a volta dos países ao nível do PIB registrado antes desta situação dificilmente acontecerá em 2021, por exemplo.

O período de incertezas econômicas, contudo, vem acompanhado de grandes transformações sociais e de consumo. Neste primeiro momento, já observamos mudança nos hábitos de higiene. Redobrou-se o cuidado em limpeza e esterilização, seja em produtos expostos no mercado, seja em entregas de delivery ou até ao sair de casa e voltar para ela. 

O home office, por sua vez, exige a criação de uma nova rotina às famílias, conciliando trabalho com afazeres domésticos, filhos e demais atividades do dia a dia. Certamente o trabalho remoto vai ser encarado com outros olhos por empresas e profissionais daqui para frente. 

Entretanto, a principal transformação esperada está nos hábitos de consumo dos brasileiros. Com o isolamento social e a recomendação de ficar em casa o máximo possível, muitas pessoas precisaram aderir às compras pelo e-commerce, principalmente itens de supermercado e farmácias (e segmentos não tão populares como moda e eletrodomésticos). 

A lista de segmentos que tiveram de expandir a atuação na web por causa da pandemia de Covid-19 é grande. Algo impensável há alguns anos, em 2020 muitos consumidores resolveram comprar ovos de Páscoa pelos canais on-line. Percebemos em nossa base um aumento de 52% nas vendas do e-commerce.

Assim, o comércio eletrônico surge como o meio principal de vendas, fazendo os empresários buscarem modos de fidelizar antigos clientes e, principalmente, atrair cada vez mais quem utilizou essa opção pela primeira vez durante a quarentena. Quem não estava acostumado a comprar on-line precisou se render devido à praticidade e à recomendação de ficar em casa. 

Segmentos do varejo que ainda não estavam adaptados a esse cenário tiveram que correr para não diminuir o faturamento e aumentar o campo de atuação. O Coronavírus promoveu a transformação digital em muitas empresas que ainda resistiam a esse conceito.

Não só no varejo, evidentemente. Áreas como medicina e educação também se viram obrigadas a adaptar e remodelar suas práticas com a nova realidade provocada pela doença em todo o mundo. Empresários que enxergaram esse momento de transformação antes terão mais chances de se recuperarem e retomarem seus desempenhos no futuro. 

Já aqueles que ainda não compreenderam os novos hábitos e comportamentos das pessoas precisarão correr e realizar as mudanças necessárias para atender um consumidor cada vez mais digital, exigente e preocupado com a qualidade de vida.

Tags: artigo | varejo | e-commerce | Coronavírus | Covid-19 | Eduardo Fregonesi