Geral

Uma vírgula no seu ponto final


28 de Junho de 2020

“Ela criou um projeto chamado “Uma vírgula no seu ponto final”, pensando em como propor que histórias continuem e não fiquem onde as pessoas as param. Passando por cima de qualquer problema em ouvir, ela se incomoda mesmo é com a surdez de não ouvir o que os outros têm a dizer, muitas vezes num pedido de socorro mudo que só os mais atentos podem perceber.”

 Semana passada semana tive a honra e o privilégio de dividir a curadoria, palestrar e acompanhar o Portfólio Week, um evento da Fiap do qual sou mais do que grato pelas lições dos profissionais incríveis que estiveram lá, mas principalmente da masterclass que tivemos de uma turma cheia de grandes histórias, exemplos de resiliência, reconstruções, muita procura, além de um profundo e enraizado senso de propósito.

Ficou claro em cada relato, que mais do que seguir e mirar pessoas impactantes e inspiradoras, era importante ver a si próprio como alguém capaz de ser inspirador, de ser seguido e donos de grandes histórias e experiências, mesmo sendo muito jovens para imaginar que já a tivessem.

Obrigado à Hellen, Harumi, Natália, Mônica, Maria Eugênia, Luiza, Alícia, Gabriela, Vitória, Jussara, Wilker, Adriane, David, Amanda, Mylena, Ricardo, Gabriel, Eduardo, Natália, Rafael, Ana Paula, Veridiana, Thiago, Andressa, Fernanda, Lucas, Carolina, Guilherme, Gustavo, Lucas e Vinícius. Vocês definitivamente colocaram uma vírgula onde antes havia um ponto final. E é sobre essas vírgulas que eu vou falar agora:

“As quatro amigas se reuniram para cumprir uma tarefa desafiadora, criando um conceito forte e cheio de propósito. 'Somos.diverse' era como se autointitularam e cheias de dados e estatísticas, deixaram claro em um storytelling seguro de quem nem parecia ser a primeira vez, como se encher de verdades e convencer o mercado de que tem muita gente que precisa ser vista.”

“Já ela havia sido alvo de bullying, mas ao decidir se aceitar como era, trouxe mais do que uma estética marcante, particular e um lindo e assumido cabelo. Trouxe a vontade de mostrar que as pessoas podem ser marcantes para as outras, pela iniciativa de serem como são e da melhor forma. Algo tão simples quanto conectar corações em uma ilustração inspirada.”

“Nem teve tempo de respirar e já começou a falar, quase declamando um lindo texto. Eu não sabia se era poesia, poema ou slam, mas tinha musicalidade e essência, trazendo uma forte reflexão de que mesmo para quem vive no mundo digital, era importantíssimo entender o mundo ao seu redor. E sem papas na língua, colocava seu forte ponto de vista de que a tecnologia só poderia ser acessível se todos a entendesse.”

“Ela esqueceu de dizer que era vocalista de chuveiro, montava cubo mágico em 1 minuto e que também era main Rakan, mas mostrou atitude ao trazer impactantes frases e revelar inseguranças e dúvidas para qual caminho seguir. Mas não importa qual seja, estava claro como ela se conectaria.”

“Revelar-se é terapêutico e foi assim que ela contou sua história, que mesmo curta, mostrava caminhos, atalhos e mudanças, onde sempre se mostrava disposta a aprender, inovar e se adaptar. Era um convite para buscar pequenos negócios e transformar a todos como personagens principais de um grande filme.”

“Ela contou sua história de infância em uma foto amarelada, onde mostrava a favela que morou, mas hoje na parede cheia de lembranças de 40 países, havia também a vontade de registrar a tudo com o poder de suas imagens. E se fotografar é viajar para aquele lugar e senti-lo, mesmo do outro lado do mundo, chegou a força de sua vontade.”

“Ele veio de mansinho e se revelou apaixonado por novidades e aprendizado, mesmo com um design fino e estiloso, resolveu buscar outros desafios e hoje olha a carreira e a própria cidade com olhos críticos, analíticos, estéticos e muito bem direcionados.”

“Formaram uma dupla onde estava clara a energia, mesmo misturada com alguma timidez. E desta união saiu a consciência de querer mudar simplesmente o planeta. Do respeito pelas relações sociais, passando pela educação com o próximo e indo mais a fundo contra a impunidade, o racismo, a ecologia e além de ser um dos pilares do projeto, estava claro que eles jamais irão se calar.”

“E se a arte é necessária quando as palavras não são suficientes, ela resolveu assumir de vez a dela, mesmo se questionando para qual caminho seguir. E entre ilustrações e colagens cheias de bossa, já entendeu que mentes criativas inspiram os outros. E é o que ela está fazendo.”

“Ela viu toda a sua energia levá-la ao cansaço extremo de quem se deu mais do que poderia. O grande talento e a capacidade em fazer muitas coisas ao mesmo tempo não ouviu o corpo que gritando lhe deu uma resposta: burn out! Hoje, reconstrói sua vida, sabendo que dosar é o melhor remédio e que nada vai tirar o brilho de suas escolhas.”

“Ele entrou na sala de aula, e surpreso reconheceu entre os alunos, o jovem que anos atrás assaltara sua empresa. Essa era só uma das histórias que poderia contar, se não estivesse tão envolvido entre aulas e a proposta de contar a História como ela é, dividindo com generosidade seu amplo conhecimento e cultura, pontuando cada capítulo com arte, ciência e o poder de citações poderosas como “O que a história conta não passa do longo sonho, do pesadelo espesso e confuso da humanidade.”

“Ele deixou claro a sua decisão em mudar e foi automático contar para ele que a transformação só acontece de dentro para fora e que quem quer voar não pode ter medo do vazio. Ele decidiu ser multi, e, assim, com talento claro e olhos brilhando, vai construindo seu novo caminho.”

“Ele empreendeu cedo e aprendeu cedo também o impacto de não dar certo. Refez o caminho e hoje se reconstrói com novas ideias, novos projetos e a paixão por criar experiências e interfaces inesquecíveis não só para usuários, mas para si mesmo.”

“Tipology Matters, deixou claro de pronto. E questionando com quantos quilos de mídia se faz uma opinião, ela se conecta aos vetores, às fontes e ao mundo da autoexpressão que reúne arte, jornalismo, print, urban art, opiniões e num gesto quase panfletário a necessidade criativa do inconformismo.”

“Foi do mundo apaixonante dos games, que ele trouxe o insight e ao decidir oferecer aos streamers mais consciência como produto e voz, trouxe também o protagonismo de fazer isso pensando em como dividir com aqueles que precisam de incentivo e verbas para continuar no jogo. Competir é paixão, mas pode fazer parte do negócio.”

“Ela não gostou de se ver refém da crise, das empresas e do corte de seu salário e resolveu empreender. E se “Quando eu crescer, eu quero ser o que quiser”, colocou no ar sua arte, suas ideias, suas mensagens, pois já descobriu que na vida é importante fazer e presentear com coisas que realmente importam.”

“Foi passando um creme na barriga durante sua gravidez, que ela se perguntou se eles eram naturais e corretos para dar boas vindas a mais um Ser no mundo. E se ele só iria mais à frente se questionar o que seria quando crescer, foi da sua escolha pela biologia, que veio a preocupação com o mundo, com a natureza e com o que consumimos. Criou um negócio de produtos naturais feitos à mão, proporcionando autocuidado e bem-estar integral a qualquer indivíduo. E entre aromas, plantas e florais, mostrou personalidade em vender não só que faz, mas o que acredita.”

“Ele começou falando de investimentos e no desafio de usarmos com sabedoria nossos bens, até que deixou claro que falava do tempo e que saber investir nele, estava entre os melhores investimentos que conhecia. Foi trazendo inspiração nesta semana, que mostrou seu negócio: transformar pessoas em seres conscientes, motivando-os a partir do seu propósito.”

“Para quem não gostava dos sinais matemáticos, ela somou ao dividir sua história de superação, subtraiu pedras dos rins e do caminho, dividiu com uma plateia encantada o seu ponto de ruptura e transformação, multiplicando a vontade de construir e contar histórias cada vez mais inspiradoras por intermédio da sua produtora de conteúdo.”

“Ela preferiu ficar na penumbra e foi assim que mostrou uma história quase em quadrinhos que retratava sua vida, sua semana e tudo o que vinha passando. Deixou claro que a expressão do que a gente é ganha força com o jeito de expressar que é da gente.”

“Marcando seu espaço com nome e sobrenome. Ele chegou confiante e cheio de fé, aproveitando o espaço para colocar para fora suas ideias em um desenho muito nítido de quem era. E a jogada tá clara, é cruzar e bater para o gol: ele quer levar negócios digitais para o próximo nível, mas comemorará junto.”

“A câmera se movimentava junto com seus passos, ela fez isso muito bem e dentro da consciência de quem quer ser seguida e ditar os passos. Não se intimidou em mostrar quem é, como pensa e a vontade grande de fazer o mundo saber o que vende, o que pensa e a figura multi que também é.”

“As colunas se alinhavam em um tom azulado que trazia mais opulência, e dentro de um conjunto de imagens urbanas, aparecia por trás da câmera um jovem cheio de possibilidades e caminhos, mas aprendendo que ao fotografar a arquitetura, ele estava buscando também visões, perspectivas, linhas, caminhos e direção para si próprio.”

“A gente é feito de trilha sonora” e se não bastasse pontuar a vida por meio da música, ele soube se abrir para contar até dos momentos limites que o fez se distanciar dela. E é voltando para a música, trazendo um coach de vida e negócios, que espera retribuir tudo aquilo que ela mais lhe deu: descobrir o poder da propaganda, merchandising, marketing, e, principalmente, de vida que tem por trás dela.”

“Ele não tem medo de “dar o papo” e no estúdio superequipado de sua casa, edita, mixa e produz música, porque assim decidiu ao se apaixonar por ela, depois de uma carreira técnica. Ao permitir que as pessoas falem o que pensam a partir de sua arte, ele deixa o “papo delas” fluir, mas com profissionalismo, técnica e muita qualidade.”

Vai ficar na memória a reação alegre daqueles que ganharam o challenge por fazerem os melhor projetos. Fica também o brilho em seus olhares e a gratidão que tinham pelo insight e a liderança da Giovana Vaz, pelas aulas e ensinamentos do João Manoel e por nossa curadoria cuidadosa e carinhosa para fazer esta semana ser um marco em suas vidas, pois na nossa já foi. 

Que agora eles saibam trocar por vírgula, dois pontos ou reticências aquilo que poderia ser apenas um ponto final.

Tags: artigo | Dil Mota